10/03/11

Inutilmente a manhã na fronte

perde-se
em rugas de sulcos fundos
que repousam seus gentis gomos
nos cílios fluviais dos trilhos das margens
duras da vida

Ao lado o rio que corre…
E inutilmente o ciclo que arrefece
(...)
chicoteado pelo esquecimento
Ali gesticulam efémeros gestos de prazer…

Ali, a dádiva emprenha o ventre virgem
no galopar do vazio do tempo
(...)
da noite que só
álgida
se cobre da ausência da luz

Sem comentários:

Enviar um comentário

UM POEMA - UM POETA DE ELEIÇÃO

por: Alvaro Giesta (tudo quanto aqui publico é retirado de obras que possuo na minha biblioteca sem tecer, sobre elas, qualquer com...