18/02/12

Poema 4-Fragmentos dum poema

4.

Na rua por onde passo
nu
quando a consciência da loucura
me não deixa pensar
vejo a explosão tardia do sol.

Há palavras sem desejos de saírem
para a rua
perdidas no latir do vácuo existente
no cérebro.

Estala-me neste combate
o completo abandono das coisas mortas.
As palavras nuas atingem-me
como o esplendor do sol que abre do nada
e sabe que ao nascer
ficará tudo.

E a morte nos espaços de cada coisa
respira
breve.

A luz parida da sombra
é a força
e o conflito
o silêncio e o grito
a coragem e o medo
de agir em modo contrário aos valores.

____ Alvaro Giesta (2012)

Um olhar sobre o MAR DOS SENTIDOS (poesia)

José Luís Outono “MAR DOS SENTIDOS” (chancela Edições VIEIRA DA SILVA, numa edição de 2012) – Opinião Literária © (não escrevo segun...