09/09/11

manhã de nocturnos frios

É hora de largada.
A boca brota
virgem
escrevendo invencíveis palavras
contra as catadupas demolidoras
do tempo.

Rosas e Povo.
Pão e Futuro.

A manhã cresce sem sentido.

Os meus filhos hão-de vir
e ver
ao acordar
que esta manhã feita de aguarela
bruta
vai cobrar ao mundo
nocturnos frios.

Sem comentários:

Enviar um comentário

PARA ALÉM DAS PALAVRAS (uma crítica à poética de Edgardo Xavier)

Estamos perante um poeta genial: dito assim, deste modo peremptório, quase a evidência nos diz podermos dispensar da leitura de qualquer ...