03/04/11

sono tranquilo

ao meu Pai, no seu leito de morte
02/Set/2002

Impávido e sereno. Dormia.
Um sono profundo e tranquilo.
Imponente, entre finas e brancas sedas,
no seu fato cinzento, quase imaculado,
que só em épocas festivas vestia.

Um rosto magro, ossudo, quase sem vincos,
tranquilo, repousava.
Como se o seu último desejo por cumprir
fosse aquele sono eterno
que em vida mais desejava.

Em seu redor nem sussurros se ouviam
com medo de o acordar.
Vigiavam-lhe, os amigos, aquele sono tranquilo
feito de silêncio de respeito
e dor. Sofriam.

De rosto magro bem barbeado,
afagado por alvo lençol,
tinha a brancura da morte….
Tão diferente do que fora antes
tisnado pelo sol.

Dormia sem sobressaltos nem stress.
As suas mãos, sobre o peito, ambas cruzadas
uma sobre a outra, seguravam
com firmeza e fé, mesmo na morte,
o terço das suas preces.

Debruçada à cabeceira, por dois círios iluminada,
em oração surda a minha mãe.
Parecia alheada do mundo e ausente.
Com certeza rogava ao deus das suas preces
que se voltassem abrir aqueles olhos
teimosamente fechados, para sempre.

No rosto do meu pai, já sem sofrer,
os seus olhos fixavam, porventura,
sob as pálpebras fechadas um mundo novo
que se abria feito de ventura
às portas do Além.

Sem comentários:

Enviar um comentário

PARA ALÉM DAS PALAVRAS (uma crítica à poética de Edgardo Xavier)

Estamos perante um poeta genial: dito assim, deste modo peremptório, quase a evidência nos diz podermos dispensar da leitura de qualquer ...